ribeira agua livreEvento no Facebook

Dia 24 de Abril, às 20h, a Ribeira das Águas Livres nasce em frente ao Banco de Portugal (Av. Almirante Reis) e corre até ao Largo do Carmo, onde desagua com os restantes afluentes.

Vem com a tua bicicleta ou com os teus pés, com o teu tacho ou a tua voz, e junta-te aos tambores que ecoarão pelas ruas !

Águas foram em tempos batizadas de livres mas logo canalizadas, uma liberdade curta e desinspiradora, onde há muito que não há espaço para sonhar. Agora, movidas por tudo o que falta, tomam coragem para questionar essa liberdade, usá-la sem barreiras ou barragens. Correm galgando canos e aquedutos, e inundam as ruas de Lisboa.

Dançam pelas avenidas tornadas palco, riem dos bancos e do capital, fluem finalmente por onde querem e não por onde a gravidade dita, reescrevendo a própria física. Estas águas desconhecem fronteiras, não discriminam géneros, etnias nem opções individuais : molham todos da mesma forma que a todos matam a sede.

Limpam nem que por momentos a cidade dos que a mantêm cativa em si própria. Não há autoridade ou moralismo estatal que as detenha, nem empresa que as privatize. Procuram só um fim melhor, um horizonte risonho em vez de um ralo, em que todas possam desaguar. Buscam uma foz apetecível, sem medo de utopias.

No seu leito deixarão sementes, alternativas e ideias, que um dia poderão brotar.

Ao contemplar-se, todas estas gotas que fazem Ribeira reconhecem que da mesma maneira que as águas dum rio não param de correr, a liberdade não pára de se construir. E 40 anos depois é isso que não querem esquecer.

Em frente ao Banco de Portugal (Av. Almirante Reis), às 20h.

 

Anúncios